sábado, 28 de maio de 2016

Lugares Incomuns que Gosto de Visitar

O famoso "turista comum" costuma ir às cidades principais e visitar os monumentos mais conhecidos, fazer várias fotos, fazer umas gracinhas e umas comprinhas e cair fora super rápido pra conhecer outro hot point turístico no tempo apertado que eles têm. É quase uma gincana! Parece que tudo o que importa é poder dizer que esteve e lá e "olha aqui a foto pra provar!", rsrs! 

Ok, ok... nem todos são assim, mas, vamos combinar que isso acontece bastante, né? No fundo, eu não me importo de que cada um faça a sua viagem do jeito que achar melhor e que puder - desde que, se for nesse modelo, não seja comigo, hahaha!

Por que? Clique na imagem pra conferir ;)

"E ela disse, "Eu devo ir".
(Imagem de: https://www.pinterest.com/pin/525724956480144794/)



Porque ninguém que gosta desse estilo de viajar citado iria aguentar nem curtir muito o meu jeito de viajar: eu gosto de conhecer ao máximo o lugar que estou indo, o que já aconteceu ali, o que é agora... Não sou nem mochileira de raiz, nem o turista que é levado por agências: eu acho que sei apreciar um pouco desses dois mundos. Esse é mais um grande motivo de eu preferir viajar sozinha.

Gosto de andar devagar e de divagar, apreciar com calma, entender, sentir a energia do lugar, me concentrar nisso, me virar pra pegar bus, metrô - táxi só em necessidades mais sérias. Porém, além disso, eu gosto de ir a lugares nas minhas viagens que muitos não acham graça nenhuma, que foge um pouco dos caminhos batidos - mas que (quase) sempre encontro outros malucos como eu em algumas das minhas mesmas rotas...

Sei que está na modinha há algum tempo as pessoas quererem fugir do turismo convencional, o que considero muito enriquecedor, interessante, criativo e curioso. Se há a possibilidade, por que não aproveitá-la? São tempos de horizontes mais ampliados e isso é maravilhoso!



1) Cemitérios

Num dos passeios do famoso Elétrico 28, há uma parada final bem em frente ao Cemitério dos Prazeres, em Lisboa. Aproveitei pra conhecer e descobri que meu trisavô está enterrado lá, confirmado na secretaria do cemitério!
(Imagem de: http://lisboa.convida.pt/poi/see-do/cemiterio-dos-prazeres-1548/36)

Eu gosto muito de ir a cemitérios porque costumam ser lugares lindos, calmos e seguros. Não apenas ir a cemitérios onde pessoas famosas mundialmente foram enterradas, mas pessoas simples e locais também. Alguns acham que ir a cemitério não tem nada a ver com uma viagem turística, já eu acho que fala muito sobre a cultura, a História de um povo, suas tradições e seu modo de viver e de lidar com o fim da vida. Além disso, costumam ter obras de arte muito bonitas e alguns trabalhos arquitetônicos bem interessantes. É um passeio gratuito e quase ninguém vai, então, só vejo vantagens :)) Preciso nem dizer que funcionam o ano inteiro durante o dia, não é?

Indico: O plácido e belo Cemitério dos Prazeres, em Lisboa (foto acima), Cemitério de Pére La-Chaise com seus túmulos ilustres, em Paris e um Cemitério central em Copenhagem, em que os túmulos são delicados, floridos e os animais de estimação são enterrados ao lado dos túmulos dos seus donos. Um que eu não tive coragem de ir foi o dos judeus em Praga - energia pesadíssima.



2) Universidades


A Universidade de Sevilla, que antes era a fábrica real de tabacaria.
(Imagem de: http://congreso.us.es/dyses2014/)

O que tem a ver visitar universidades com viajar a turismo de lazer? Muitas pessoas vão dizer que "nada", mas eu discordo. Eu amo conhecer algumas universidades porque... eu adoro o conhecimento e uma escola superior pode contar muita coisa sobre aquele lugar. Costumam ser belos prédios antigos (na Europa, por exemplo) repletos de gente jovem efervescente e eu aprecio muito esse contraste. Lazer sem cultura, pra mim, não é lazer! Esse é mais um passeio que você pode fazer sem gastar um centavo e sem encarar horas de fila pra entrar ;) Algumas permanecem abertas mesmo durante o período de férias.

Indico: Além da Universidad de Sevilla (foto acima), eu indico também a Universidade do Porto, em Portugal. Ainda quero conhecer a de Coimbra, uma das mais antigas da Europa. Em Londres e Paris, as universidades também têm prédios fantásticos.



3) Parques de Diversão


Parque Tivoli, em Copenhagem. Muito chateada que não pude conhecê-lo quando estive lá (fechado pra Inverno)
(Imagem de: https://br.pinterest.com/pin/410742428486507818/)

"Ah, como assim? Todo mundo que viaja pra uma cidade que tem parque de diversão é porque quer ir nele!". Na verdade, não. E mais ainda não quando as pessoas já passaram dos 25 e não vêem mais graça nisso; acham que é coisa pra criança ou têm medo (algumas mais medo do que ir aos cemitérios, rs!). Eu discordo disso tudo, porque eu sou louca por parque de diversão, especialmente por montanhas-russas! E pra diversão não tem idade! Tenho descoberto que me faz muito bem a combinação de adrenalina e fantasia, além desses parques serem bonitos e bem frequentados. Pena as filas infinitas e os valores nem sempre baixos, mas é o jeito. O que eu acho ruim mesmo é que alguns fecham durante o inverno - e eu adoro viajar nessa estação do ano :/

Indico: Os famosos parques da Disney, tanto nos USA quanto em Paris, mas o da Flórida é mesmo um enorme reino, acho que vale muito mais a pena. No entanto, ainda pretendo ir a muitos outros, especialmente alguns que vi em vídeos na Califórnia.



4) Ruas, Praças e Vielas de Bairros Não Turísticos

Não sei onde fica essa rua qualquer... Mas já me deu vontade de andar por ela :)
(Imagem de: http://picssr.com/tags/estreita/interesting/page7)

Tem muitos dias que meu planejamento turístico é... sair da rota turística. Isso significa que eu saio andando quase que a esmo e deixando meus pés decidirem o caminho enquanto ele vai acontecendo. Se eu me perco? Claro, está incluído no pacote, rsrs! Meu único cuidado é dar meia volta se percebo que o lugar é muito deserto ou barra pesada. Bateu intuição ruim, sigo pra outro lado no mesmo segundo. Mas, geralmente, não é o que acontece. O que costumo ver são lugares, pessoas e coisas que eu não veria se fosse caminhar apenas pelos pontos turísticos principais. É muito satisfatório ver como a população local realmente leva seu dia a dia - o que costuma ser muito diferente do que vemos nos lugares onde só há turistas e a infraestrutura montada pra esses visitantes.

Indico: Vá, perca-se, peça informação a locais fazendo mímica, não entenda nada, ande bastante, olhe ao redor, pegue um ônibus que vc não sabe ao certo onde vai dar ;)



5) Bares e restaurantes "podrões"


"No Bar do Moe nós amamos os turistas", hahaha!
(Imagem de: http://www.yorokobu.es/bar-de-moe-community-manager/)

Quem costuma viajar com pouco dinheiro, como eu, ou quem é excêntrico, apenas curioso ou faminto, hahaha , sabe do que estou falando. Dificilmente vamos sentar a bunda nos restaurantes pra turistas, chiques e caros, e sermos felizes de verdade, rs! Se na nossa cidade nós conhecemos aqueles restaurantes que cobram baratinho, não são sempre bem localizados, nem modernos ou elegantes - muito pelo contrário - mas que a comida é deliciosa e de se fartar, esse tipo de lugar também existe em muitas partes do mundo que estamos indo visitar. Comer e beber bem, bastante e gastando pouco pode ser difícil de conseguir quando viajamos a lugares muito turísticos. Nada como uma boa informação de moradores locais, #ficadica



6) Hospitais


O Hôtel-Dieu é o mais antigo hospital de Paris
(Imagem de: https://pt.wikipedia.org/wiki/H%C3%B4tel-Dieu_de_Paris)

Dos lugares incomuns que gosto de ir, admito que esse é o que vou menos. Primeiro, porque tudo o que a gente menos quer durante uma viagem é adoecer ou se machucar a ponto de ter que interromper a curtição pra ficar de molho num hospital. Segundo, porque nem sempre a entrada de curiosos, naturalmente, é permitida. Terceiro, porque você pode pegar ou levar doenças do e para o ambiente hospitalar - e ninguém quer isso. Também não estou falando de ir a qualquer hospital, mas os maiores, mais antigos e tradicionais, e não pra ficar na curiosidade mórbida de ver gente doente, mas admirar a arquitetura, ver como anda a saúde pública do lugar (se tem muita gente, se é limpo, se está vazio...).  Por isso, em muitos deles, eu nem entro: olho por fora mesmo. Alguns têm belos jardins externos... e pra mim já tá bom. Portanto, é um passeio free e rápido pra quando vc estiver batendo perna e se deparar com um no caminho.




7) Casas de moradores locais


Como vivem? De que se alimentam? rsrs! Adoro!
(Imagem de: https://www.tripadvisor.ca/LocationPhotoDirectLink-g1785133-i41620194-Rio_Grande_State_of_Rio_Grande_do_Sul.html)

Se você não conhece ninguém que more no lugar, nem sempre essa parte é possível de visitar. Você pode fazer amizades e acabar sendo convidada pra um almoço ou jantar na casa da família da pessoa, mas isso pode ser arriscado demais - ainda mais se você é mulher e viaja sozinha, se é que você me entende. Se você tiver coragem de fazer couchingsurf ou algo similar, tudo bem. Airbnb  e alugar quartos em pensões familiares também são boa opções para conhecer uma moradia local. Eu acho que a casa de quem vive no lugar que vamos conhecer é sempre a última e valiosa pecinha que monta o quebra-cabeças pra gente entender melhor como é a vida naquela parte do mundo enquanto estamos apenas turistando. Sou apaixonada por lares e tenho muito respeito por cada um que visitei.


8) Zoológicos e Aquários

Eu amo os animais e o passeio do Zoológico sempre me faz muito bem!
(Imagem: http://www.bensaude.pt/mobile/15-desconto-zoo-com-o-hotel-acores-lisboa/)

Nem todo mundo concorda com zoológicos ou parques aquáticos por não gostar de ver os bichos presos, ainda que bem cuidados. Não nego que isso também me toca, pois creio que todos merecemos liberdade. Por outro lado, eu AMO poder chegar perto o máximo possível dos animais, admirá-los, observá-los... Por isso, gosto muito de ir nesses lugares quando viajo. O que não gosto é de colocar a vida selvagem pra 'trabalhar', além do cativeiro, por exemplo: shows de golfinhos e baleias. É lindo, mas é triste, por mais que pareça que eles estão se divertindo e que gostam muito dos criadores. Circos com animais, eu já não apoio de jeito nenhum. O assunto é polêmico mesmo, eu sei. Outras pessoas até acham legal, mas acham coisa de criança... Ás vezes, acho que as crianças é que sabem o que é bom numa viagem ;)

Indico: O zoo de Lisboa (foto acima) e o de Paris. Ainda quero ir em outros.


Não ir apenas aos lugares onde todo mundo vai dá um gostinho a mais de aventura e até dá também uma leve sensação de exclusividade. Quem é que não gosta de chegar pro amigo e perguntar se ele foi naquele bistrô que só os locais frequentam num bairro mais afastado e que não está em nenhum guia de viagem, mas que tem a melhor comida daquele país? Hahaha! Tem até um vídeo do canal do Youtube "Porta do Fundos" que ridiculariza isso, clique aqui pra assistir

Vaidades e pedantismos à parte, mesmo que a gente não conte pra ninguém os segredos que descobrimos sozinhos numa cidade, sempre parece que encontramos um pequeno tesouro do pirata sem mapa... E isso guardamos pra sempre em nossas memórias!

Nenhum comentário: